O Cerrado ocupa um quarto do território brasileiro, mais de 200 milhões de hectares. É o segundo maior bioma brasileiro, depois da Amazônia, e o ecossistema de maior biodiversidade do planeta. A flora é a mais antiga da Terra e os locais ainda intocados albergam muitas espécies animais em risco de extinção.

A localização do bioma está concentrada principalmente no Planalto Central Brasileiro, e abrange os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Distrito Federal.

A água é de extrema importância para a vida do Cerrado. Ela é acumulada nas camadas freáticas do Centro-Oeste, que abastecem as nascentes que dão origem a seis das oito maiores bacias hidrográficas do Brasil. A abundância e a pureza hídrica são fundamentais para a vida da vegetação, já que elas possibilitam o intercâmbio das sementes, do pólen e a distribuição da fauna através das denominadas matas de galeria que acompanham os córregos, os quais se converterão em rios que chegarão mais tarde ao mar. A água subterrânea em aquíferos precisa de grandes extensões de terra usada de modo natural, sem plantios que usem agrotóxicos.

A vegetação da floresta tem seu ciclo anual criado pela alternância de água e fogo, num fluxo de sinergia. Todo ano, a vegetação do Cerrado se adapta por completo para viver essa transformação radical que vai do tempo do fogo, na seca, ao tempo das águas com suas chuvas constantes.

A presença constante das flores, com suas virtudes e suas cores, manifesta a maravilha do ciclo ininterrupto da vida e também de sua impermanência.

Nas últimas décadas, o Cerrado perdeu quase a metade de sua cobertura vegetal, conforme estudo da “Conservação Internacional“. Por isso, a preservação da savana mais rica em biodiversidade do planeta é fundamental para o equilíbrio da Terra e para a vida das futuras gerações.